Início Artigos Fala, rubro-negro A normatização da derrota

A normatização da derrota

681
Foto: Carlos Santiago/Reprodução

Ainda sob o efeito do jogo contra o Grêmio, sinto ter que colher os frutos, e os efeitos, como um todo. É triste demais o que vem ocorrendo com nosso amado clube. Devido ao fato de não termos torcida no estádio e fazendo um apanhado geral, pude perceber na noite de ontem algo semelhante à torcida ir embora antes do termino da partida. Nos diversos grupos de WhatsApp que faço parte, em praticamente todos, foi comum ver mensagens, antes do termino do primeiro tempo, de “mudei pra Olimpíada!”, “vou dormir que amanhã acordo cedo.”, existindo, também, casos daqueles amigos que nem assistiram.

E olhe que foi contra um dos mais horrorosos Grêmio que eu já vi ao longo dos meus quase 40 anos de vida. Foi deprimente ler essas mensagens. Eu, particularmente, não consigo simplesmente parar de ver o jogo. Fui criado acreditando sempre no Vitória, mas não julgo, pelo contrário, respeito, e muito, quem está decepcionado e revoltado com tudo que vem acontecendo em nosso clube. Não me refiro somente ao desempenho em campo. Esse está abaixo de qualquer expectativa (que já não eram altas). As falhas na atual gestão beiram o absurdo.

Não é normal a quantidade de jogadores oriundos da nossa base saírem de graça para outros clubes. Não consigo normatizar isso. O que aconteceu com Leo Ceará e o que já pode acontecer com Ronaldo só nos mostra a total falta de profissionalismo e “expertise” em gestão empresarial da atual diretoria. Não é normal a quantidade de jogadores que chegam ao nosso clube e simplesmente se lesionam e fazem do departamento médico sua moradia. Guilherme Rend está aí para mostrar isso. É só puxar na memória para vermos que, após a pseudo negociação com um outro clube aqui do estado (que está momentaneamente melhor que o nosso), ele não jogou mais. São lesões e lesões. Fadiga e desconforto? É o mais comum. Nossa jóia Samuel, parou após a provável negociação para Portugal.

E onde o gestor entra nesses assuntos tão específicos? Simples. O gestor deve tomar decisões sempre. No momento que ele percebe que algo não está andando da forma correta, ele deve exercer sua função, não de forma grosseira e autoritária, mas de forma firme, prática, objetiva e, principalmente, resolutiva. Isso, nem de longe vemos no Vitória. Esse sensibilidade de gestão de pessoas é para poucos. É para o gestor que transita em todos os ambientes de forma humana e que, principalmente, não centraliza e personifica todas as suas ações.

É para o gestor que pode caminhar tranquilamente pela corporação sem que os colaboradores deem “graças a Deus” quando ele se ausenta. Infelizmente, essa não é a realidade do nosso clube e o campo está refletindo isso. Um time apático, completamente rendido em campo. Aliás, em campo, só estavam os corpos, a matéria. As almas, visivelmente, não estavam ali. Visivelmente, falta gestão de pessoas. Nosso clube é um bem imaterial composto de pessoas e, se não cuidarmos delas, não cuidaremos do nosso clube. Em nosso clube existem pessoas que servem ao clube e não se servem dele (óbvio que temos que extirpar os que se servem).

Voltando à Copa do Brasil, podemos até virar o jogo lá em Porto Alegre. Acredito e torço para que sim, afinal, no futebol tudo é possível, até mesmo o improvável. Torço, também, para que tudo dê certo e que possamos nos livrar logo do fantasma da série C, esse não sai da nossa porta desde 2019. Esse é o meu desejo, só não sei se ele se tornará realidade com a quantidade de erros e infortúnios que vem, sucessivamente, acontecendo. Infelizmente, bater no Vitória virou algo normal, seja dentro ou fora das quatro linhas. Nós, como torcedores apaixonados que somos, precisamos nos unir para evitar esse triste fim que se desenha para nossa centenária instituição. Chegou a hora de deixar as vaidades de lado e marcharmos para um bem maior: a salvação do Vitória. Eu acredito piamente que seja possível, basta querer. E nós queremos!

Um abraço a todos e todas,
Saudações Rubro-Negras
Fernando Koch
Rubro-Negro, Administrador de Empresas e Empresário

Fala, Rubro-Negro! é uma coluna de opinião de torcedores. Seu conteúdo é de responsabilidade dos signatários e não necessariamente representa o que pensa o Arena Rubro-Negra.


Deixe sua opinião