Início Artigos Fala, rubro-negro BA x VI: racismo não é motivo para piada

BA x VI: racismo não é motivo para piada

às 16h35 (atualizado às 17:23 de 10/04/17)
7919
11
COMPARTILHE
Foto: Reprodução/ TV Globo
Por Pedro Caribé
Eram marcados 28 minutos do segundo tempo. O zagueiro do Bahia, o branco Lucas Fonseca, tapou o nariz, apontou para o preto Kanu, zagueiro do Vitória, e disse “você tem bafo”, abanando as mãos para sinalizar um suposto odor. O fato inusitado foi flagrado na transmissão e tratado como piada e mera reclamação pelo apresentador Tadeu Schmidt no programa Fantástico da Tv Globo.
Lucas Fonseca é conhecido por deferir ofensas nada comuns. Faz parte da índole do zagueiro atacar a moral do adversário e tentar desestabilizá-lo de forma grosseira. No ano de 2016 xingou a esposa do atacante Kieza no clássico. Passou despercebido o caso de machismo e misoginia contra alguém que sequer entra em campo. Tudo bem, é um saco ouvir aquelas ladainhas politicamente corretas de jogadores, mas essas ações não têm nada a ver com polêmica, é ofensa mesmo, a arma que resta para um atleta relativamente fraco.
Mais uma vez ele passou do ponto, e muito. Qualquer outro lugar do mundo o caso seria tratado imediatamente como racismo. Deve ser só no Brasil que racismo é algo que todo mundo sabe que existe mas ninguém enxerga em lugar nenhum. Só aqui as infelicidades acontecem geralmente com pessoas negras e não dão em nada. Só no Brasil o corpo branco humilha um corpo preto de forma incomum e fica como aleatório.
Nesse caso, esquecemos que umas das estratégias mais recorrentes na história é rebaixar o corpo negro a algo fétido. Não precisa falar “preto fedido” para ser racismo, basta um mínimo de contexto, conhecimento e interpretação.
Mau hálito geralmente é fruto de problema estomacal. Ninguém está isento de passar por isto alguma vez na vida. É bem possível que atletas de alto rendimento tenham com mais frequência porque tomam um monte de vitaminas que afetam o estômago. Enfim, deve ser algo comum. Ainda assim não é possível saber se Kanu estava realmente com bafo, ou mesmo se era algo de tamanha intensidade. Mas não é loucura imaginar que o gesto foi pensado por Lucas Fonseca para afetar um adversário que tinha feito um gol e lidera seu time.
O caso tem elemento contextual curioso. Os dois zagueiros chegaram às finais do concurso Gatos do Baianão da Tv Bahia, afiliada da Globo. Kanu foi um dos poucos pretos de um concurso que parecia ser de um campeonato na Suécia. Tratar Kanu como alguém fedorento é um tiro certeiro na sua imagem, permeada por espontaneidade e provocações ao rival. Qualquer pessoa ao vê-lo falando vai lembrar da cena. Deixa de ser o galã preto, para o ser o preto fedido.
Kanu parece estar propenso a enfrentar a situação. Muitas vezes só nos damos conta do racismo após o ocorrido. É um ato que costuma pegar as pessoas desprevenidas. Kanu conheceu o racismo na Bélgica e no Brasil – por sinal, em 2015 ele foi alvo de ofensas racistas em redes sociais por declarar que a Fonte Nova era um estádio público após o triunfo de 3×1 contra o rival. Sabe as dificuldades de superar o escamoteamento brasileiro.
É o momento de todos apoiarmos, independente do time que torcemos. Kanu não pode passar pela situação do goleiro Aranha, que ficou um bom tempo desempregado depois de denunciar o racismo na torcida do Grêmio. É possível que não dê punição alguma, quase ninguém é punido por racismo no Brasil, e se tiver, não vai mudar muita coisa em campo, porque ele é uma atleta relativamente fraco e reserva nos jogos decisivos que vêem pela frente na Copa do Nordeste e Campeonato Baiano.
Só é inadmissível que a imprensa não abra um debate sobre o tema. Trazendo especialistas para falar do assunto e apuração sobre outros casos de racismo no futebol mundial. Racismo não é piada.
*Pedro Caribé é jornalista, mestre e doutorando em comunicação pela Universidade de Brasília
COMPARTILHE
Apenas uma equipe de estudantes e profissionais de diversas áreas, sobretudo, torcedores rubro-negros, igualmente a quaisquer outros, apaixonados fervorosamente pelo Esporte Clube Vitória.
  • Airton Santos

    Levemos em consideração que a Bahia e, especificamente, Salvador tem a população mais negra do Brasil, mas apesar disso, parece que aqui somos minorias e devemos ser desrespeitados a qualquer hora e em qualquer lugar e por qualquer um ou um qualquer como foi o caso. Levar casos de racismo à justiça, até onde tenho visto, não passa de pura perda de tempo, porque não há rigorosidade nas leis. Posturas mais sérias só serão tomadas quando atos de agressões forem respondidos simultaneamente e no mesmo tom. Não foi apenas Kanu o agredido, mas todo e qualquer negro, pois sabemos exatamente o que significou o vil ato de um medíocre jogador que por coincidência é jogador do Bahia, mas poderia ser de um time qualquer. Conversando hoje, senti o desconforto e a irritação das pessoas, muitos, inclusive, torcedores do Bahia. Eles entendem que esse comportamento maculou a imagem do time e ofende a todos os baianos. O Vitória deverá pensar em processo e, o Bahia estudar medidas contra o atleta, visando inibir iniciativas deploráveis e infelizes como essa no futuro. Estamos bastante aborrecidos.

  • José neto

    Deveria ser punido e indiciado pois estamos vivenciando isso quase todos os dias.O profissional independente de sua posição social, deve respeitar seu semelhante.Na minha modesta opinião,deveria ser punido com multa e assinar um termo circunstanciado e servir de exemplo para os demais jogadores.

    • R. Hamilton

      Concordo plenamente !!

  • João Felipe Ribeiro

    Prezada redação, nesse caso em específico, foi caracterizada uma injúria racial, que é diferente de racismo. Pelas cenas, deu pra perceber claramente que o defensor do Bahia quis minorar o jogador rubro – negro.

  • Daniel Góis

    Tudo eh racismo nesse mundo. Chamar de preto num é racismo tbm? Pensei que era afro descendente. Nao vi ele indicando nada sobre a pele ou cabelo algo relativo à tonalidade de pele do jogador…se fosse ao contrario seria racismo? Dizer que alguem está com bafo passa longe de preconceito. Nesse mundo politicamente correto onde jornalista escreve um texto desnecessário tão extenso para causar polêmica claramente pra fazer sua obrigação na qual eh pago. Racismo exiatr mas, nao nesse fato. A maior parte está noa olhos de quem vê

  • Edgar Neto

    Quer dizer se fosse o Kanú que falasse que Lucas Fonseca estava com mal hálito seria racismo ou injúria também?? será que a imprensa iria fazer materias relacionando o episódio com o tema? Acho que a imprensa está criando um vitimismo desnecessário.

  • Gabriel Barbosa

    É por causa de uma imprensa putrida e maldosa como essa, que casos importantes perdem visibilidade, enquanto histórias mentirosas ganham espaço. O desespero por um click, e a ilusão de que seu trabalho tem relevância, pela quantidade de pessoas que acessa sua notícia, esperando ler algo sério, é de dar pena. Desde quando bafo é inerente aos negros? Piada ou insulto, atribuir de forma tendenciosa que isso é racismo, ainda destacando que o Lucas Fonseca é branco, tentando polarizar opiniões, é uma triste constatação de que vocês da imprensa fazem qualquer coisa pra vender notícia, ate disseminar discursso de ódio. Existe sim racismo, que é algo nojento (e está longe de ser o caso), mas existe outra coisa nojenta também, o sensacionalismo. Triste Brasil.

  • Ed Borges

    Lixo de jogador, lixo de matéria. Parei de ler no “deferir”…

    • Vitória Manaós

      E qual seria o correto no alto da sua especialidade em lingua portuguesa?

  • Maike Silva

    Se eu disser que essa reportagem é pífia! É racismo também ??

  • Marcondes Costa

    Esse lucas Fonseca é muito arrogante tem que colocar na justiça mesmo, para ele aprender a ser mais humilde idiota ele se acha bonitão, idiota jogador sem qualidade.