Início Colunas Extracampo Nego: da arquibancada para o manto rubro-negro

Nego: da arquibancada para o manto rubro-negro

Lançamento de marca própria resgata o sentimento rubro-negro em momento difícil; uniformes já estão à venda

562

Solta o Leão! Solta o Leão!

A arquibancada do Barradão tem voz e é ouvida. O canto que abre esse texto é também o que chama o time do Vitória para entrar em campo em absolutamente todos os jogos no Santuário. O guia é a bateria da torcida organizada. Ao primeiro sinal de um atleta rubro-negro saindo do vestiário, a caixa inicia, discretamente, o espetáculo do protocolo de recebimento. Batidas discretas sugerem aos torcedores que levantem as duas mãos e chacoalhem, criando um ambiente de expectativa. O Vitória entra em campo. As batidas da caixa avançam em ritmo acelerado e as duas batidas no bumbo que virão em seguida precisam estar sincronizadas com as duas palmas das mãos que ainda estão para cima. Quatro vezes. E toda a paixão rubro-negra explode em um único grito.

A arquibancada do Barradão tem voz e é ouvida. Prova disso está no lançamento da marca própria de materiais esportivos do clube, ocorrido no início deste mês de janeiro. O conceito não poderia ser mais assertivo. A letra N cortada ao meio e com a marca das garras de um leão, levemente inclinada, sugerindo um movimento circular que remete à renovação, palavra que é símbolo do Esporte Clube Vitória, seja na transformação do lixo em estádio de futebol, na impressionante guinada à conquista de jovens torcedores a partir do fim dos anos 1990, ou na eficaz e lucrativa formação de atletas. Tudo isso abrindo alas para a expressão mais tradicional do Santuário.

O conceito da marca própria . Imagem: Reprodução

O responsável por essa criação tão oportuna não poderia ter outro perfil: rubro-negro fiel e torcedor de arquibancada. Marcos Paranhos é designer do clube desde 2018. Ele tinha como hobby desenvolver peças de uniformes do Vitória e de outros clubes. E entre as voltas do mundo, o hobby virou trabalho. Além do conceito da marca própria, ele também desenhou os uniformes que foram lançados em conjunto e agradaram em demasia aos torcedores. Em entrevista, Paranhos contou ao Arena que teve total liberdade para desenvolver ambos os materiais, que foram aprovados com unanimidade pela diretoria.

“Eu achei que teria alteração e não teve. Aprovou de primeira. Haviam outras sugestões de marca, então pensei que fosse ponderado. Mas não. Desde o começo Paulo [Carneiro] me deu liberdade para criar. E no dia da apresentação ele usou uma expressão bem baiana que nem posso falar aqui. Aprovou sem ressalvas”, contou sorridente.

Os novos uniformes assinados por Marcos Paranhos para a temporada 2021

O designer também foi o responsável pela criação dos modelos produzidos pela Kappa, em 2019, incluindo o terceiro uniforme, lançado no meio de 2020, que também gerou bastante aceitação da torcida. Mas para chegar ao conceito da Nego, ele precisou buscar o que o Vitória tinha de mais particular.

“A escolha óbvia seria de um Leão ou do ano de fundação, o 1899. A gente já tem o Leão Imperial como um símbolo, que foi criado por Nizan Guanaes, ele desenhou em um guardanapo… se você mostra esse Leão fora de contexto para um torcedor, ele já vai reconhecer. Além dele temos um Leão no Sou Mais Vitória… não cabe mais um Leão. Até porque esse mascote é também o mascote de vários times. E vários outros times também usam o ano de fundação. Então eu pensei que a gente tinha que fazer algo que possua o DNA do Vitória, que só o Vitória tenha”, revelou.

O grito “Nego”, ao contrário de qualquer expressão racial, remete a forma carinhosa como os baianos tratam são entes mais chegados. No Vitória ele nasce no início dos anos 1980 como parte de uma canção criada pelo torcedor e, à época, relações públicas do clube, Adaezer Macedo.

Neeego, Neego,
É o nego de fé,
É o nego que quer,
Jogar com o coração,
Pra vencer qualquer mané
Por isso meu amor
Tú és a minha glória
Bato no peito e grito
O teu nome é Vitória!

“Também levamos em consideração uma pesquisa do Datafolha que mostra que proporcionalmente a torcida do Vitória é a torcida mais negra do Brasil, e isso não foi muito divulgado. Então, embora o “Nego” das arquibancadas nada tenha a ver com cor de pele, aproveitamos para envolver também esse tema, mesmo que indiretamente, devido a sua importância em nossa sociedade”, concluiu Paranhos.

A marca própria do Vitória foi lançada oficialmente no dia 5 de janeiro, data em que o Leão já entrou em campo contra o Operário-PR usando os novos uniformes. Na oportunidade o clube divulgou um vídeo intitulado de ‘Manifesto Negô’, que você pode assistir abaixo. As vendas dos uniformes para a torcida começaram neste final de semana através do site www.sounego.com.br.

https://youtube.com/watch?v=QRM5NV1VAPU

Deixe sua opinião