Início Colunas Memórias do Leão Vitória x Ypiranga: Nos 114 anos do aurinegro, relembramos cinco partidas marcantes

Vitória x Ypiranga: Nos 114 anos do aurinegro, relembramos cinco partidas marcantes

550

Que o Ba-Vi é o clássico mais disputado da Bahia – quiçá do Brasil e do mundo – todo mundo já sabe. Mas nos tempos distantes do século XX existiram, ou melhor dizendo, coexistiram outros clássicos no futebol da Boa Terra. Desde a década de 20 até o final do último século, Vitória e Ypiranga disputaram nos gramados soteropolitanos diversos clássicos que engradeceram o futebol local. Nesse 7 de setembro, data que marca a fundação do clube aurinegro, conhecido popularmente como ‘O Mais Querido’, relembraremos alguns desses confrontos que travados sangue dos dirigentes, suor dos jogadores e lágrimas dos torcedores ficaram na memória de um clássico adormecido pelo tempo.

1 – Vitória 3 x 2 Ypiranga – 1935

Em confronto pelo Campeonato Baiano de 1935 o Vitória venceu o Ypiranga num espetacular 3 a 2 no Campo da Graça. A partida que teve um fraco primeiro tempo, mostrou ânimo na segunda etapa quando o Leão da Barra se reabilitou e conseguiu a virada diante de seus leais adversários. Perdendo de 2 a 1 nesse jogo, com dois gols de pênalti dos aurinegros, o Vitória conseguiu a reação necessária, primeiro a partir do atacante Novinha, que conhecido por seus passes primorosos, acabou marcando o gol de empate. Depois, foi a vez do artilheiro Mozart deixar sua marca. Após receber passe de Novinha, o atacante girou diante da equipe canarinha e fez o terceiro perto do fim do jogo. Seu balançar de redes gerou revolta do atletas do Ypiranga, que seguraram a bola – literalmente – para que o jogo não continuasse. Foi necessária a intervenção do presidente da Liga, Braz Moscoso, que reestabeleceu a ordem no gramado com a expulsão do jogador aurinegro. Com a bola rolando, a partida logo acabou. Mas não para o árbitro Raymundo Barroso, que foi surpreendido no gramado com uma agressão por parte de Oscar. A pugna se estableceu porque o ypiranguense acusava Mozart de impedimento, mas segundo o jornal O Imparcial, o atleta rubro-negro estava em plenas condições.

Os escretes de Vitória e Ypiranga juntos no Campo da Graça em 1935. O Vitória venceu o jogo de virada, mas o ypiranguense Oscar não admitiu o resultado e agrediu o árbitro. (Créditos: O Imparcial)

Ficha técnica:

Vitória 3 x 2 Ypiranga
Data: 16/06/1935
Validade: Campeonato Baiano
Local: Campo da Graça
Renda: 2.970$0000
Árbitro: Raymundo Barroso
Gols: Ferreira (2) (Ypiranga); Raul Coringa, Novinha e Mozart (Vitória)
Vitória: De Vecchi, Carapicu, Renato Bastos, Wanderley e Seabra; Adhemar, Mozart Mila, Raul Coringa, Novinha e Zeca.
Ypiranga: Dórea, Capelinha, Boaventura, Azevedo e Oscar 22; Leovigildo, Ismael, Seu Deixa, Nestor, Ferreira e Almiro.

2 – Vitória 3 x 1 Ypiranga – 1943

No primeiro turno do Campeonato Baiano de 1943, houve mais um confronto marcante entre ambas as equipes. Dessa vez, por conta de um ídolo que começava a despontar no rubro-negro. No dia 1 de agosto daquele ano, Juvenal, conhecido como Jegue Alemão, estreava no ataque do clube. Nesse primeiro jogo envergando o manto vermelho e preto, o artilheiro-mor do Vitória disse a que veio. Marcou os dois gols do Decano no Campo da Graça, na vitória em 3 a 1 sob o Ypiranga, iniciando sua trajetória de 150 gols pelo Leão.

Ficha técnica:

Vitória 3 x 1 Ypiranga
Validade: Campeonato Baiano de 1943
Local: Estádio da Graça, Salvador-BA
Data: 01/08/1943
Juiz: Edenval Vieira da Silva
Gols: Juvenal (2), Ivan (Vitória); Antenor
Vitória: Heider, Celino e Umbelino; Bengalinha, Luiz Viana e Heber; Campos, Durval, Siri, Juvenal e Ivan.
Ypiranga: Anésio, Gregório e Heitor; Lourenço, Borracha e Jonga; Antenor, Arquimedes, Cacuá, Americano e Salvador.

Ypiranga 1 x 1 Vitória – 1952

Dessa vez, quem levou a melhor foi o Ypiranga. Que mesmo com o empate se sagrou campeão baiano de 1951. O jogo ocorreu em 10 fevereiro de 1952, tal como as últimas partidas do campeonato. O Ypiranga, que havia vencido o segundo e o terceiro turno, e o Vitória que havia vencido o primeiro, fizeram um jogo final no Campo da Graça pra decidir o título. Enquanto o Leão vinha desde 1909 sem o título baiano, os aurinegros também encaravam seu jejum desde o ano de 1939 sem vencer o certame. Durante a partida, o mesmo Juvenal, de 1943, marcou novamente. Mas pelo lado ypiranguense, Raimudinho marcou o gol que garantiu o empate e o título da torcida canária. O último conquistado pelo clube.

Ypiranga 1 x 1 Vitória
Data: 10/02/1952
Validade: Campeonato Baiano
Local: Campo da Graça
Árbitro: Jimenez Molina
Renda: 59.047 Cr$
Gols: Juvenal (Vitória); Raimundinho (Ypiranga)
Ypiranga: Ferrari, Pequeno e Valder; Valter, Zizo e Raimundo I; Antônio Mário, Chaves, Novinha, Israel e Raimundinho.
Vitória: Periperi, Alírio e Joel; Claudio, Viana e Bombeiro; Bionga, Maneca, Juvenal, Elias e Dedé.

Vitória 2 x 0 Ypiranga – 1995

Em 1995, após muitos anos de confrontos disputados na Graça e na Fonte Nova, o Vitória jogou pela primeira vez com o Ypiranga no Barradão. O clube da Vila Canária enfrentou o Leão que em dia de animação com Ramon e Adoílson e agitação com a Leões da Fiel aplicou um 2 a 0 jogando em casa. O primeiro gol surgiu dos pés de Adoílson numa magistral cobrança de falta que fez a bola ir pro fundo das redes. No segundo o tempo, após muitas investidas o Leão chegou ao gol que fechou o placar. Wilson ‘Cara de Sapo’ foi lançado e fez o zagueiro e o goleiro do Ypiranga se estatelarem no chão. Depois disso bastou o toque pro gol pra determinar o score final.

Ficha técnica:

Vitória 2 x 0 Ypiranga
Validade: Campeonato Baiano
Local: Barradão
Data: 19/03/1995
Árbitro: Fernando Andrade
Público: 3.023 pagantes
Renda: R$ 19.271,00
Gols: Adoílson e Wilson (Vitória)
Vitória: Borges, Dedimar, Flávio, Vanderci e Rodrigo; Ney Santos, Bebeto Campos e Adoílson (Renato Nascimento); Ramon, Wilson e Pichetti (Wélder); Técnico: Péricles Chamusca
Ypiranga: Jaílton, Vado, Ricardo, Isnando e Pita; Miel, Duda e Haroldo; Ademir, Róbson I e Róbson Manu (Nádson); Técnico: Zé Eduardo

Vitória 8 x 1 Ypiranga – 1997

Já em fase de decadência no futebol baiano, o Ypiranga fez um dos seus últimos confrontos com o Vitória na Fonte Nova em 1997. Com um time de grandes nomes, o Leão desbancou o aurinegro com um placar digno dos clássicos mais antigos. 8 a 1! A goleada começou a ser construída dos pés de Gil Baiano e Ronald. O Ypiranga até reagiu com um belo gol de cabeça de Jorginho Capixaba, mas em seguida, o Decano massacrou o adversário com Emérson, Chiquinho, Wilson ‘Cara de Sapo’ – novamente ele -, Humberto em duas oportunidades e Uéslei com uma cobrança de falta certeira.

Vitória 8 x 1 Ypiranga
Validade: Campeonato Baiano
Local: Fonte Nova
Data: 02/03/1997
Árbitro: Paulo Jáckson
Público: 3.552 pagantes
Renda: R$ 28.740,00
Gols: Gil Baiano, Ronald, Émerson, Chiquinho, Wilson, Humberto (2) e Uéslei (Vitória; Jorginho Capixaba (Ypiranga)
Vitória: Nílson; Russo (Marquinhos), Ronald, Émerson e Esquerdinha (Nelsinho); Hélcio, Uéslei, Gil Baiano e Chiquinho (Kléber); Wilson e Humberto; Técnico: Arturzinho
Ypiranga: —


Deixe sua opinião