Início Colunas Extracampo Contra o Avaí, o principal adversário do Vitória é o próprio Vitória

Contra o Avaí, o principal adversário do Vitória é o próprio Vitória

Instabilidade interna influencia nos resultados dentro de campo

293
Vitória 2020
Foto: Reprodução / SporTV

O Vitória tem hoje (13) uma das partidas mais importantes dessa temporada. O jogo diante do Avaí, às 19h na Ressacada, é crucial na briga do Rubro-Negro contra um lamentável rebaixamento para a Série C. No entanto, a equipe catarinense não é o principal adversário desta noite.

Pelo contrário. Se depender da torcida avaiana o Leão já garantiu os três pontos. É que o rival do Avaí, o Figueirense, está atrás do Vitória na tabela da Série B, a um ponto de diferença, mas dentro do Z-4. E a campanha para que o time entregue o jogo é grande.

Contudo, o verdadeiro empecilho para rubro-negros e avaianos é o próprio Vitória. A equipe vai a campo levando nas costas o insustentável peso negativo do ambiente na Toca do Leão. E a consequência reflete nos resultados.

Foto: Letícia Martins / EC Vitória

Na tarde desta terça-feira (12), véspera da partida, o clube anunciou mais uma redução no salário dos funcionários e colaboradores, que já sofrem com constantes atrasos. Serão 25% a menos aos que recebem a partir de R$ 1.500,00, além de redução da jornada de trabalho.

Este assunto, claro, é um assunto de bastidor. Assim como as frequentes notícias de atrasos nos vencimentos e imagem de atletas. Entre tantos outros que surgem desencontrados, sem posicionamentos oficiais e transparentes por parte do clube.

Por outro lado, o presidente Paulo Carneiro, eleito com a promessa de recuperar e valorizar o futebol rubro-negro, mantém sua postura retrógrada de atacar torcedores e profissionais da imprensa através das redes sociais. Perfil que o acompanhou e o desgastou durante toda a sua primeira passagem no clube.

Carneiro, no entanto, não responde se os seus próprios vencimentos estão sendo pagos em dia.

Leia também: Paulo Carneiro acumula cargos no clube e Vitória S/A

Também não está claro para a torcida qual é a função exercida pelos ex-presidentes Alexi Portela, Adhemar Lemos Júnior e Manoel Matos dentro do clube.

No Conselho Deliberativo, eleito para fiscalizar a gestão, o silêncio da maioria é via de regra. Enquanto isso, o presidente Fábio Mota se debruça à impor o pagamento da Contribuição Compulsória dos Conselheiros, taxa cuja oposição, em minoria, é terminantemente contrária e deve envolver a Justiça. Uma causa inoportuna que serve apenas para alimentar a interminável guerrilha interna, desviando o foco do que realmente importa.

Tudo isso se reflete dentro de campo. Contribui para decisões equivocadas que já expuseram a equipe a quatro treinadores diferentes somente nesta competição. Descredibiliza o clube no mercado e desestimula qualquer profissional a honrar a camisa que veste.

Leia também:
Conselho Deliberativo do Vitória publica resolução sobre taxa dos conselheiros
Por que somos contra a taxa compulsória do Conselho Deliberativo?

É sob esse clima de instabilidade que os atletas entram em campo nesta noite para, podemos dizer, definir o que será do Leão da Barra em 2021.

A considerar: O Esporte Clube Vitória escreveu ao longo desta Série B a receita perfeita para o rebaixamento. O que resta são torcedores, exaustos e desacreditados, buscando o último suspiro de fé para apoiar os onze que entram em campo.

Deus tenha misericórdia deste clube.

Foto: Pietro Carpi/EC Vitória

Deixe sua opinião